2009/08/24

Descubra as diferenças

Enquanto lia um blog de uma amiga tropecei nisto e depois por um grande acaso esbarro nisto....

Hihihihihi ;-)

Top 5 Monday Soundtrack

Estava aqui a ouvir música para me dar aquele momentum de arranque de segunda-feira. Eis senão que …..segue uma listazinha.


1- Smog – Cool Blooded Old Times.
2- Bruce Springsteen – Dancing in the Dark
3- U2 – Out of Control
4- Lou Reed – I love you, Suzanne
5- Blues Brothers – Everybody Needs Somebody to Love

2009/07/07

"Bluetoote"

Viver numa cidade grande tem vantagens e desvantagens... uma das minhas vantagens preferidas é o poder andar na rua anonimamente observando pessoas e comportamentos. À uns dias, estando no Metro em direcção ao Cais do Sodré, resolvi sair na estação do Rossio e fazer a pé o resto do caminho. Gosto de fazer aquele trajecto, uma vez que me permite ver uma grande variedade de pessoas e sobretudo de comportamentos!

Quando cheguei ao Cais do Sodré lá tive que ficar na fila para validar o meu passe e entrar na estação... à minha frente estava um casal, que em nada me chamou à atenção quando estava parado na fila. Mas, quando entrei na plataforma aconteceu uma coisa no mínimo... divertida. As plataformas têm desenhado no chão uns círculos com a seguinte mensagem: "Active agora o seu bluetooth" (acho que é assim!!). Então, na minha pressa de ir para o combóio, quase esbarrei com uma senhora (que depois reconheci como sendo a senhora que estava à minha frente na fila) com o telemóvel na mão. Achei estranho, mas só entendi porque é que ela estava ali parada depois de ouvir a conversa entre o casal.

- O que é que estás aí a fazer parada? (diz o senhor)
- (...)
- Ainda para mais com o telefone na mão... não vês que estás à frente das pessoas mulher ! (diz o senhor)
- Então não vês que aqui posso activar o "bluetoote"! (diz a senhora)
- E tem de ser aí?? Além do mais tens bluetoote? (acho que foi assim que o senhor disse)
- Siiimmmm!

Achei esta breve troca de palavras divertida. Não sei se o telemóvel da senhora tem "bluetoote" ou não, mas se tiver, lá que ficou ligado... deve ter ficado! Outra coisa que constatei é que as mulheres são mais apreciadoras de "gadgets" do que os homens! Pelo menos em minha casa é assim!!... ACHO EU!!

2009/06/28

Quando não há nada para dizer

They do say that when there's nothing to say, all you can say...

Supercallifragilisticexpialidocious!

2009/06/26

Vale a pena ver

Retirei isto do twitter do vferreira

A morte de Jackson em 20 capas de jornais.

Vale a pena.

Sarilhos acontecem!



O trabalho tem destas coisas. Pois é, depois de várias horas de campanha no estuário do Tejo, chegamos perto da foz do Rio Sorraia. Eis que não quando, depois de configurar o ADCP (para os leigos é um perfilador acústico de correntes) o computador de campanha (que se chama Rambo) deixa de funcionar. Na altura não pensei que isto poderia ser o presságio do que estaria para vir... mas aparentemente foi!

Depois de fazer a amostragem, dirigimo-nos a toda a velocidade para a Doca de Santo Amaro, por forma a termos um final de campanha normal... mas a cerca de 4/5 kms da POnte Vasco da Gama (1km para o meu parceiro de infortúnio Guillaume!) o barco ficou sem gasóleo! OK... vamos lá encher a coisa... então, reabastecemos e depois... tentámos ligar o barco... vroooooomm! vrooooomm!... E o barco não se mantinha ligado... Depois de algumas tentativas de ligar a coisa (persistência da Carla), chegámos à conclusão que era melhor chamar ajuda. 1ª dúvida: rádio ou telemóvel? Eh pá, por rádio é capaz de ser complicado, vamos lá ao telemóvel. E assim foi, falamos para a polícia maritíma e demos as indicações (nossa posição).

A policia foi bastante rápida a dizer: OK... vamos já para aí!, contudo a rapidez traduziu-se numa espera de cerca de 4 horas... à deriva estuário acima (porque a maré estava a encher). Entretanto, para mantermos o espiríto e porque a situação tinha algo de cómico... fomos vendo tudo o que nos rodeava.

Olha Flamingos! Olha peixes aos saltos! Será melhor racionar comida ou água! E se um meteorito nos acertasse?!... foram algumas das hipóteses...

Cerca de 4 horas depois lá chega a policia...
Temos 15 minutos para vos tirarmos daí!! Senão... ficamos TODOS encalhados!
(disseram eles)

Bem, que pressa, pensei eu! Mas ainda bem, já estamos safos! Lá prendemos o barco ao da policia (ou melhor eles é que fizeram issso) e lá começámos a ser rebocados! Embora a ser salvos, não pude deixar de reparar em tudo o que estava a acontecer... Assim, começou a nossa saga: o estuário estava muito picado, com uma ondulação de alta frequência que é muito chata para os navegantes... Assim, podem imaginar a quantidade de água indesejada que estava a entrar no barco! Ao ver isto... o Guillaume toma uma decisão: Vou fazer de contra-peso lá atrás! E assim foi... molhado que nem um pinto, mas com boa disposição (até cantou o Mercedes Benz da Janis Joplin) lá fez de contra-peso, o que ainda assim não evitou que mais água entrasse no barco...

Chegados à ponte Vasco da Gama veio o ultimo revés... vamos ter que os amarrar aqui a um dos pilares até vir o reboque da APL! É melhor telefonarem para o reboque! - disseram eles.
- Não podem telefonar os senhores? Afinal são a autoridade! - Dissémos nós.
- OK! Vamos tratar disso! - Disseram os policias.

Mais uns minutos de espera, onde fomos todos identificados pela policia e lá chegou o reboque!

O final do dia já tinha chegado... Lisboa vista do Tejo é realmente bonita... pelo menos para navegadores de recreio em passeio. Nós como trabalhadores e ainda por cima todos molhados... também achamos que a cidade é bonita vista do estuário!

Para finalizar dizer... gostava imenso de saber fazer nós e navegar como os tipos da policia e da APL (todos simpáticos e muito competentes no que fazem). Gosto de trabalhar com pessoas como a Carla e o Guillaume, que numa situação destas mantiveram o espiríto (e que me ajudaram a mantê-lo também)!

Depois de muitas horas... lá cheguei a casa. A noite seria perfeita, se um alarme não tocasse insistentemente lá fora!

Só mais uma coisa: no dia anterior tinham-me dito para ter cuidado... Lembra-te daquele filme que vimos ("Tarde de mais", acho eu!), vais para a mesma zona! Sim... o estuário é um sitio especial... trabalhar nele é bom... mas sarilhos acontecem!

Fundo do Baú II - Conan o rapaz do futuro

E já agora que se fala nisto.




Eu via. Religiosamente! Era o momento alto do dia. Quais desenhados animados pedagógicos. Viram como ele corria? Tirava macacos do nariz com o dedo grande do pé e lançava-se do alto de um edifício de 300 andares aterrando de pé. Sem um ossinho partido. Fazia uns esgares faciais mas que conferiam credibilidade ao momento. Havia armas, muitos tiros, explosões, cigarros, enfim, tudo de bom.
A série passou em Portugal em 1980/81, se não me engano, e por incrível que possa parecer não somos uma geração traumatizada nem ninguém se lançava da janela lá de casa.

Fundo do Baú

Remexendo no fundo do baú das memórias, foi assolada por outra lembrança incontornável dos idos anos 80.


Lembram-se disto?


As minhas lembranças deles ...

Michael Jackson e Farrah Fawcett

Ontem, morreram duas pessoas que marcaram o início e a minha a adolescência. Os dois por motivos diametralmente opostos.
Da Farrah Fawcet guardo as mais saudosas lembranças. Sim, via Os Anjos de Charlie (versão transmitida pela RTP no final dos anos 70). Achava o máximo aquelas três mulheres a combaterem o crime. Para mim a história resumia-se a isso: três mulheres a combaterem os mauzões. Era tão nova que nem sabia os nomes delas, quanto mais se eram bonitas ou feias, ou mesmo se a história era plausível. Eram, na minha perspectiva, mulheres de sucesso.

Por essa altura, o meu pai comprou-me uma bicicleta. Recordo-me, de em conjunto, com as minhas amigas passarmos tardes infinitas, montadas nas bicicletas a brincarmos aos Anjos de Charlie. Aquilo é que era acelerar para fugirmos aos mauzões. Leia-se todos os rapazes de quem nós não gostávamos. LOL.

Quanto ao Michael Jackson, nunca lhe achei piada. Posso dizer com orgulho que foi vinil (sou pré-histórica) que nunca entrou lá em casa e que nunca tocou na aparelhagem Philips. Nem mesmo o mega sucesso Thriller. Reconheço-lhe o epíteto de Rei da Pop mas não mais do isso. Não achei piada às recentes alegações de abusos sexuais nem às várias e repugnantes operações plásticas. Ficará comigo, e não querendo ferir ninguém, uma frase que se ouvia muito naqueles idos anos oitenta “O preto mais branco da América”.

Uma vítima de cancro, outro, dizem, de paragem cardíaca, foi o fim.

Cuidado! Este é um post verdadeiramente fútil!

Aviso!
Este post é tão fútil que pode ferir susceptibilidades.
Ora, como vocês bem sabem só fã dos U2 e ando-me a roer por dentro por não ter conseguido ir a nenhum concerto da nova tour (360 Tour). Para quem já assistiu a espectáculos ao vivo dos U2, sabe que são cheios de dinâmica e que as 2 horas de actuação mais parecem 15 minutos. As novidades para a nova tournée consistem num palco circular (daí o nome de 360), permitindo que todos os espectadores tenham uma ampla visão da banda e de toda a acção que está a decorrer. Ora, isto por si só, já prometia e já me fazia bater com a cabeça nas paredes, de tal maneira, que nos últimos tempos jogo no euro milhões na vã esperança de me sair uns simples 3000€. Quantia que me permitia ir a Barcelona e comprar uns bilhetes inflacionadíssimos.

Mentalmente, relativei a coisa. Afinal é só um grupo, há problemas muito mais graves e coisas muito mais importantes na vida. Em África passa-se fome, todos os dias são silenciadas pessoas por exprimirem a sua opinião, o número de desempregados cresce, e por aí fora. Adiante.
Todo este processo mental colapsou quando hoje no twitter, vi esta mensagem enviada pelos fansofU2.

VIDEO: U2 - The Unforgettable Fire (360º Tour Rehearsal in Barcelona 22-06-09)
http://tinyurl.com/noklmo.

É verdade, é só a música que eu mais gosto, que eles nunca mais tocaram ao vivo desde mil e novecentos e troca o passo. Assim, permitam-me este desabafo fútil, que talvez possa servir de catarse, que se lixem as desgraçadas do mundo. Eu quero ver os U2.

2009/06/22

Este blog está com dói-dói

O laptop pifou.

Já vinha desde 2002. Eh lá! Isto de um laptop chegar de 2002 a 2009, quase sempre ligado, é como a tia da vizinha chegar aos 100 anos. Lá conseguimos arranjar um substituto baratinho para comunicarmos com o mundo mas só agora é que as configurações básicas estão instaladas. Bem, isto de escrever num teclado novinho... XP aqui não há teclas janadas.

Amanhã há mais.

2009/06/19

Ulysses

E outra que me encanta mucho

Repeat Repeat

Como dizem na Radar. É sempre a mesma cantiga?

Ainda não me fartei.

Teimosia de Mãe


No Verão passado à custa de muito sangue, suor e lágrimas consegui que a minha filha deixasse de usar chucha.
Sempre fui adepta que a chucha era um objecto transitório e que quando abandonado o mais cedo possível melhor, afinal deforma os dentes e os aparelhos ainda não são baratos. Congratulei-me pela persistência e por não me ter deixado ir em cantigas. Venci-a. Fui mais forte. Isto tudo nivelado pela famosa presunção de mãe traduzida na famosa frase, a mãe sabe o que é melhor para a menina.

Mas nós os adultos no alto do nosso pedestral, substimamos o engenho. Sim, o engenho, aquilo que fez o Homem inventar a roda e a usar o fogo. Aquilo que nos permite, no nosso quotidiano, ultrapassar as situações difíceis e que vulgarmente denominamos de desenrrascar ou melhor desenrrasquei-me bem. Esquecemo-nos que o engenho é ingénito ao ser humano, e se o é, os filhos também o têm.

Passados uns tempos, apercebi-me que ela tinha começado a chuchar no dedo. Não me dei por vencida. Comecei com a velhinha história olha que o dedo cai, passei para o verniz para rapidamente me aperceber que ela parecia gostar da coisa, pus pimenta mas ela foi lavar o dedo, admoestei-a, tentei, em vão, suborná-la. Por fim, rendi-me. Hastei a bandeira branca e dei a batalha como perdida.

Ela venceu-me. Fui vencida. Passados uns tempos, o pai dela convenceu-me que o benefício dela voltar a usar chucha era maior do que o de chuchar no dedo. Além disso, continuou ele, será só para dormir. Foi-se à farmácia, compraram-se novas chuchas, não uma mas duas, não vá o Diabo tecê-las: uma laranja e uma azul. O extâse da minha filha quando descobriu que tão preciosos objectos tinham regressado foi incomensurável.

Desde essa altura a esta parte ela voltou a usar a chucha com a mesma frequência que a usava à um ano atrás, ou seja, sempre. Com a chegada do Verão e com ele, das tão almejadas férias, fui assaltada pela ideia de lhe voltar a tentar tirar a chucha. Este pensamento ocupou-me por uns preciosos ......... 30 segundos.

Afinal a mãe dela só deixou de usar chucha quando foi para a escola.

Saudades II


Sempre que se fala em saudades a minha primeira lembrança vai directinha para a música dos Trovante (Saudade).
...
Há sempre alguém que nos faz pensar um pouco
Há sempre alguém que nos faz falta
...

Para mim o sentimento de saudade é isso mesmo, a falta de alguém ou de algo, de um momento na vida em que fomos particularmente felizes, associado ou não com a pessoa de quem temos saudades, ou até mesmo de um lugar. Não é um sentimento triste nem nostálgico, nem mesmo melancólico, muito pelo contrário, é um sentimento feliz de solidão, de um grande vazio interior, é uma falta. Às vezes, poucas, provoca-me uma grande irrequietude, do género bicho carpinteiro, não consigo ficar quieta mas na maioria das vezes acontece-me entrar num estado de sonhar acordada onde revivo momentos, pessoas ou lugares. Aquela conversa especial, a rua encondida numa cidade de passagem, os odores de uma comida em particular, as piadas só nossas, os momentos de puro nonsense....

Nem sempre é possível aplacar as saudades, tenhos amigos longe mas à distância de um clique que embora ausentes fisicamente nunca se foram embora. É claro, que sinto falta da sua presença física. Outros há, que estando a 20 minutos de distância é como se estivessem na Lua. Penso neles com saudade mas o contacto perdeu-se. Pensando nisto, acho que as saudades que sentimos por alguém e o que fazemos ou não para as matar pode medir o nosso grau de empenho, de afecto e também de amor. Porque se são assim tão grandes .....

Por fim, a palavra saudade (no sentido de falta de alguém ou algo) tem tradução noutras línguas o que as outras línguas não têm é o significado especial que o povo português dá a saudade (definir a solidão dos Portugueses numa terra estranha, longe dos seus entes queridos, isto na altura dos Descobrimentos).

Saudade também é a falta de Portugal quando estamos em diáspora.


PS: A associação de ideias entre o meu sentimento de saudade e a música dos Trovante é tão grande e imediata que chega a assustar-me. Por outro lado, o recíproco também é verdadeiro, se ouço a música sinto saudades mas não sei do quê. Há um século atrás Pavlov conseguiu desta maneira provocar graves neuroses nos cães.

Saudades...

Finalmente um dia em que não acontece nada de diferente! Então decidi falar um pouco do que são saudades. Isto porque depois de uma pesquisa rápida no Twitter (dica da Frente Oclusa) dei por mim a reflectir o que são e para que servem as saudades de algo ou de alguém... Não, não bati com a cabeça, também não estou particularmente nostálgico nem decidi fazer deste blog uma espécie de diário (não tenho paciência para isso!), mas como decidi escrever pelo menos um post por dia neste blog estou a escrever sobre... a saudade.

Saudades para mim é algo que, confesso, me dá um nózinho no estomâgo... ou seja, é uma sensação que não me deixa estar quieto na cadeira e que me faz estar com uma pessoa ou ir para um lugar (nem que seja através da internet :) ). Para outras pessoas, saudade é um meio de afirmar algo... até pode não fazer nada para as matar, mas importa, isso sim, afirmá-las. Quando estou com saudades de algo ou de alguém, não consigo deixar de pensar nelas e o primeiro impulso é estar com alguém, ir para algum sitio ou em ultima análise procurar notícias sobre o objecto da saudade. Como tenho vindo a constatar existem pessoas que não fazem nada disto e sendo assim sentem saudades do quê ou de quem?

Como epílogo da história do esquecimento da carteira, hoje o revisor do comboio ao pedir-me o passe com um sorriso desconfiado lá me disse: Ah!! Hoje não se esqueceu da carteira!... tenha um bom dia. É engraçado como numa cidade grande, existem pessoas que se lembram de caras ou de situações passadas, ainda que me digam... tem ideia da quantidade de pessoas que contam essa história??

2009/06/18

Pois é... Acontece!

Há muita gente que o diz... Pois é... Acontece! Mais a uns do que a outros dirão, mas a mim acontece-me com muita frequência! Pela enésima vez... esqueci-me da carteira em casa.

Pois é, a dita cuja, peça importante no dia-a-dia de um cidadão tem lá dentro cartões necessários, tipo MB ou o passe do comboio e do metro, ou seja, objectos fundamentais no dia de um cidadão... sério. Então vejamos, quando me apercebi que me tinha esquecido da carteira fiquei algo aflito. Dirigi-me imediatamente ao revisor do comboio (que só me vê o passe para aí em 50% das viagens) e contei-lhe a minha história. Aqui vai uma transcrição aproximada:

eu: Bom dia... esqueci-me da minha carteira em casa...
revisor: Humm... olhe que tem que ter mais cuidado!
eu: Diga-me lá, tenho que sair do comboio?
revisor: Por mim não... mas eu devia passar-lhe uma multa... tem ideia da quantidade de pessoas que contam essa história??
eu: (silêncio)...
revisor: Pronto... por hoje passa... mas na estação vai ter que pedir que o deixem sair...
eu: Muito obrigado...

Chegados à estação terminal dirigi-me para a saída. Lá fui ao funcionário e contei-lhe outra vez a minha história. Ao que ele me disse: Tem que ter cuidado... Tem ideia da quantidade de pessoas que contam essa história?... Bom, por hoje passa, tenha um bom dia disse-me ele com um ar desconfiado.

Acho que a moral desta história é que estamos divididos em pessoas cuidadosas e outras em que a "rebaldaria" (acho que se escreve assim) é uma constante na sua vida. Eu pelo vistos pertenço ao segundo grupo... não gostava, mas enfim... é o que há. Para acabar posso-vos dizer que agradável, agradável era ter a minha carteirinha (ainda que a minha cara-metade a deteste!), porque as taxas que o banco cobra por um simples levantamento ao balcão estão pela hora da morte!

Enfim, acontece... mas há que ter cuidado!

2009/06/17

O post-it amarelo


Olá a todos,

Neste segundo post vou tentar escrever sobre algo completamente diferente do meu primeiro post. E vou fazer isto porque este blog não é apenas sobre assuntos "meteorológicos", mas também sobre tudo o resto!! Então aqui vai...

Hoje, sentado à secretária dei de caras com um post-it (sim, aqueles papelinhos que se colam e têm coisas escritas) amarelo com uns números escritos.

O mais estranho é que este post-it especifíco (a que eu vou chamar post-it) não faz a função para a qual eles foram criados: lembrar as pessoas de factos ou assuntos (para uma melhor explicação ver www.wikipedia.pt). De facto, os números escritos no post-it são completamente estranhos para mim... ou seja, não me lembro do que significam nem quem os escreveu (aquilo não parece a minha letra!).

Podem-me dizer... eh pá, Nuno, vai trabalhar, já que a tua to do list está a aumentar preocupantemente, mas não consigo deixar de pensar no post-it amarelo e nos números nele escritos...

Será isto uma maneira de não pensar no embróglio de um artigo do qual eu sou autor e que está a ser revisto por um revisor particularmente chato?? Bom, não sei... A resposta terá que ficar para um post futuro (ou talvez não). Desculpem alguma incoerência e confusão aqui descritas e até ao próximo post (não post-it)!!

2009/06/16

Falta-me Corda






























Hoje de falta-me corda. Amanhã há mais.

Lenta Agonia das Horas II

Aqui vai o meu primeiro post...

Eu partilho a ansiadade do passar das horas neste dia em que a previsão "deles" é de... céu muito nublado!

Entre o ter o modelo a correr (finalmente!), uns artigos para revêr e uma reunião à tarde encontro uns minutos para dedicar à escrita... Aquilo que quero dizer é que não te preocupes com o "exame de conhecimento"! Pensa antes na sorte que tens por o exame ser em Portugal Continental, no curso intensivo de meteorologia que te foi dado nos telejornais em virtude da queda do avião da Air France e no absurdo da bibliografia incluir livros que não estão à venda e que têm acesso muito limitado!

Apesar disto tudo... vai correr tudo bem! Este é o meu "feeling"!

Para acabar: o chamamento para o almoço mantém-se... "roger and out" do muito nublado centro de Lisboa!

PS: Aguardo com curiosidade a descrição das perguntas do "exame de conhecimento"!

Lenta Agonia das Horas


Daqui até logo à tarde é que vai ser: ver passar o tempo devagar, muito devagarinho, devagarissímo. Não é irónico ir fazer uma prova de aptidão escrita no mesmo dia em que começam os exames nacionais. Ou será que é mais do que uma simples coincidência?

2009/06/15

Chuck

Not Shaken...Just Nerd

Sou fã! A história desenrola-se em torno de um geek informático (Chuck Bartowski), que acidentamente descarrega informação governamental, altamente classificada. Até aqui não parece nada de especial, quiçá, banal. O inusitado da coisa reside no facto desta informação, ter sido enviada por um antigo colega de Universidade (agente da CIA), sob a forma de imagens codificadas que o nosso herói, por um qualquer processo de osmose misturado com genialidade, tem gravadas no cérebro.

Chuck Bartowski que (ainda) partilha a casa com a irmã Ellen e o namorado desta, o insuperável Captain Awesome, vê-se a braços com a dura tarefa de apanhar os mauzões, ao mesmo tempo que tenta conciliar a sua profissão de empregado numa loja tipo Worten - A Buy More. Pelo meio recebe a ajuda de dois agentes secretos rivais: a sensual Sarah (CIA) e o duro Casey (NSA).
"...Casey: This is how this is gonna work. I'm gonna go over there, rescue Sarah, capture Dr. Zarnow, shoot anybody who gets in my way. You, you're gonna stay in the car.
Chuck: So in this plan I basically do nothing?
Casey: Yup.
Chuck: [dramatically] ...Let's do this ..."


Copy & Paste

Como umas míseras letrinhas lixam o processo ...

Amanhã tenho a tão famosa Prova de Conhecimentos. Como é óbvio devia estar a fazer alguma coisa pela vida mas ..... a vida de blogista é bem mais interessante. Estou a dar os primeiros passos mas a coisa lá vai formosa e segura. Ok, comecei pelo óbvio, acrescentar os blogs que habitualmente sigo, mudar as cores, tipo de letra, alterar código css, etc. Depois, alimentar o twitter pelo blog. É aqui que a coisa se torna diabólica e que me levou nesta última hora a quer bater com a cabeça nas paredes. Só tinha que escrever um simples endereço URL. Parece simples. Pois é, não foi.

Faltava uma letrinha .......


Ansiedade

Começo a ficar tão nervosa.

One

O primeiro post nunca se esquece ....